Imagem1.png

UM OUTRO OLHAR SOBRE TAVIRA

 

 

História de Tavira

 

Entre os séculos VIII e XIII, os árabes possuíam neste sítio uma cidade florescente, populosa e bem fortificada, chamada Tabira, que foi tomada pelo mestre da Ordem de Santiago, D. Paio Peres Correia, em 11 de Junho de 1242.

 

D. Manuel I concede-lhe um novo foral em 1504 e elevou-a a cidade em 1520.

Situada numa zona de excepcionais condições naturais, entre o mar e a serra, banhada por um rio e uma ria, Tavira terá sido desde sempre essencialmente um centro de intercâmbio comercial e um porto privilegiado para o escoamento dos produtos produzidos e explorados, quer no seu litoral, quer nas suas férteis terras de plantio.

 

O apogeu económico da cidade é atingido em meados do século XVI, podendo ser referenciadas, nesta primeira metade de Quinhentos, algumas edificações importantes como: a porta de D.Manuel, que deverá ser do início deste século, o convento de Nossa Senhora da Piedade, de freiras bernardas, concluído no ano de 1530, e a igreja de Nossa Senhora das Ondas, cuja primitiva construção deverá ser também datável dos princípios do século XVI. A igreja da Misericórdia mandada edificar em 1541 pela Mesa da Santa Casa, o convento de Nossa Sra. Da Graça, construída em 1569, depois da ocupação em 1542 da antiga judiaria, a sinagoga e os palácios da Galeria e dos Corte-Real, constituem exemplos de edifícios construídos já na segunda metade deste mesmo século.

 

Esta importância não será, no entanto, muito duradoura, porquanto ainda nos finais do século XVI e sobretudo durante o século seguinte, Tavira conhecerá um período de grande depressão, do qual não voltará, aliás, a recuperar totalmente, embora volte, em época bastante posterior, a viver novo período de desenvolvimento e prosperidade.

 

Com o século XVIII, Tavira vê renascer uma nova animação e actividade, estreitamente ligada aos anos de paz reparadora e de estabilidade que se fazem sentir em todo o território, aliados às riquezas vindas do Brasil e ao interesse que de novo é votado à região do Algarve, especialmente por D. José I e pelo seu empreendedor ministro Marquês de Pombal.

 

Praça de República - Neste largo desde sempre se realizou o mercado de Tavira. Aqui se vendiam as frutas, as hortaliças, o peixe, a carne, etc. Sempre foi o local de encontro dos tavirenses pelo menos até à construção do Mercado de Tavira (Mercado da Ribeira), construído mais a jusante nos finais do Séc. XIX (30 de Junho de1887). As arcadas do actual edifício da Câmara serviam de local de vendas.

Os locais indicados na seguinte lista estão ligados ao Google Maps. Basta seleccionarem a informação e o mapa abrirá noutra janela

 

 

PASSEIO DE CARRO POR TAVIRA (Começa na Praça da República) – saindo em direcção às Quatro Águas, no caminho ao longo do rio vamos poder ver:

-   Coreto do jardim público​ – inaugurado em 1890, foi durante um século o principal centro das atenções e das festas da cidade.

-   Mercado da Ribeira – construído nos finais do Séc. XIX (1887 - dia 30 de Junho). Edifício de estrutura em ferro que foi recuperado em 1999 para funções de lazer, com esplanadas, comércio e espaço de exposições temporárias e feiras.

-   Salinas – zona húmida fundamentalmente constituída por complexos de salinas e canais. Muito visitadas na Primavera por flamingos e onde se vêem sempre Perna-Longas, o símbolo da Ria Formosa. De Inverno será possível observar o Tartaranhão-dos-pauis (Circus aeruginosus) e a Andorinha-do-mar-grande (Sterna caspia).

-   As Quatro-Águas – Local de embarque para a Ilha de Tavira.

Aí existe um pequeno porto de abrigo para barcos de recreio, o Clube Náutico de Tavira e vários restaurantes e cafés.

-   A Ilha de Tavira – uma das ilhas-barreira mais significativas da ria Formosa. Nela poderemos apreciar as diferenças entre a frente marítima e a frente lagunar e a sucessão vegetal em areias desde as zonas mais próximas da praia até às mais consolidadas e afastadas. Também aqui encontraremos o Camaleão (Chamaeleo chamaeleon) e algumas aves que escolhem substratos arenosos para nidificar.

 

 

REGRESSO A TAVIRA – indo em direcção à outra margem do rio (o outro lado da cidade), atravessando a Ponte dos Descobrimentos, seguir pela Rua Almirante Cândido dos Reis, passando pela Praça Dr. António Padinha, podemos ver:

-     Fábrica Balsense – antiga fábrica de conservas.

-     Mercado Municipal – construído recentemente e que substituiu o Mercado da Ribeira.

-     Ponte dos Descobrimentos com uma vista panorâmica sobre a cidade.

-     Arraial Ferreira Neto – construção que data de 1945 e que servia para albergar os pescadores da faina do atum e as respectivas famílias. Hoje encontra-se recuperado e a funcionar como empreendimento turístico onde existe o Núcleo Museológico da Pesca do Atum.

-    Igreja de S.Paulo – do séc. XVII, planta de cruz latina com portal maneirista, integrando-se na designação de arquitectura “chã”.

 

PASSEIO A PÉ POR TAVIRA (Começa na Praça da República):

 

-    Porta de D. Manuel – esta porta terá sido aberta no reinado de D. Manuel I para permitir a comunicação com a então Praça da Ribeira. Na parte superior observamos a armas do rei D. Manuel I, O Venturoso.

-    Igreja da Misericórdia – monumento nacional, do século XVI, considerada a mais valiosa das obras renascentistas do Algarve. A fachada é da autoria do famoso mestre-pedreiro André Pilarte (concluída em 1551). Sobre a cornija vêem-se as imagens de S. Pedro e S. Paulo, as armas reais e da cidade e ao centro Nossa Senhora da Misericórdia. O interior é de três naves, separadas por arcos que descansam em colunas de capitéis renascentistas ornados por carrancas. Os azulejos (datados de 1760) que revestem as paredes do templo até meia altura, formando quadros com molduras terminando em recorte, constituem elementos ornamentais dignos de nota. Embora as cores empregadas sejam as características do século XVIII – azul e branco -, o rodapé e uma falsa porta estão coloridos a roxo-manganés, marcando um retorno à policromia usada no século anterior.

-    Palácio da Galeria – construído na segunda metade do século XVI. Foi remodelado em meados do século XVIII. Actual Museu Municipal/Centro Cultural.

-    ASTA – Associação de Artes e Sabores de Tavira.

-    Igreja de Santa Maria do Castelo - Erigida sobre as ruínas da antiga mesquita muçulmana, remonta ao século XIII. Após destruição pelo terramoto de 1755 foi mandada reedificar pelo bispo D. Francisco Gomes. Na capela-mor, que não conserva vestígios da primitiva estrutura, admiram-se, embebidos nas paredes, os túmulos com inscrições de Paio Peres Correia e de sete cavaleiros mortos pelos Mouros numa emboscada.

-    Castelo Medieval – subir à torre octogonal para ver a vista sobre a cidade, os telhados de tesoura ou de “quatro-águas” (Nos finais do século XVIII, os telhados de quatro águas são já muito numerosos em Tavira. Especula-se, contudo, quanto à origem destes telhados: podem ter resultado de tradições muçulmanas na arte de construir (in Guia de Portugal de Raul Proença “....telhados mouriscos de quatro águas...”) ou , mais recentemente pensa-se que podem ter tido influências orientais (os telhados de beiral revirado recordam o perfil dos pagodes chineses ).

-    Casa Irene Rolo, benemérita de Tavira. A Fundação Irene Rolo, Instituição Particular de Solidariedade Social, com sede na Rua do Carmo - Tavira, foi criada por doação de Irene Dulce da Palma Arez Rolo, tendo como objectivo geral apoiar a população deficiente, no seu âmbito de actuação, na prevenção, reabilitação e formação profissional.

-    Ponte Romana – A sua edificação é atribuída aos romanos. Com as cheias de Dezembro de 1989 (dia 3) a ponte sofreu a destruição parcial dos arcos centrais e após as obras de recuperação passou a ser apenas pedonal.

-    Portas de reixa - as portas de "reixa", são uma herança árabe, onde um rendilhado de ripas de madeira proporciona arejamento à casa, permitindo privacidade.

 

 Lugares para visitar e restaurantes recomendados em Tavira e nas redondezas:

 

-    Santa Luzia – pequena vila piscatória e “capital” do polvo;

-    Cacela Velha – onde começa a Ria Formosa. Vistas fantásticas. Tem uma igreja e um antigo forte (o forte não é visitável por dentro).

-    Mercado de Olhão – especialmente ao sábado de manhã.

 

Praias:

 

-    Ilha de Tavira - é necessário apanhar um barco (em Tavira junto do antigo Mercado ou nas 4 Águas).

-    Praia do Barril – a partir de Santa Luzia, continuar pela estrada cerca 1 km e encontra esta praia.  Passar a ponte e apanhar um pequeno comboio turístico ou fazer o trajecto a pé (12 min.) que é muito agradável.

-    Terra Estreita (Santa Luzia) - Apanhar um barco na marginal de Santa Luzia.

-    Fábrica (Cacela Velha).  Na EN125, a cerca de 8 km de Tavira na direcção de Vila Real de Santo António encontra a indicação de Cacela Velha. Seguir a indicação de Fábrica. Para se chegar à praia terá que atravessar a Ria em pequenos barcos que fazem a travessia. Esta praia não tem qualquer apoio (cafés, restaurantes, vigilância, sombras)

-    Ilhas da Armona / Culatra e Farol – Acesso por barco (ferry ou aqua-taxi) desde o cais de Olhão.

 

Restaurantes: aconselhamos a reservar no verão devido ao elevado movimento

 

Tavira  

-    Aquasul - Rua Dr. Augusto Silva Carvalho nº11, +351 281 325 166 (fecha Domingo e 2ª-feira)

-    A Barquinha – Rua José Pires Padinha nº142, +351 281 322 843 (fecha 4ª-feira)

-    Petisqueira Belmar (restaurante familiar) - Rua Almirante Cândido dos Reis nº16, +351 281 324 995 (fecha ao Domingo)

-    Pausa (petiscos) - Rua D. Marcelino Franco, nº32A, +351 281 023 477 (fecha ao Domingo)

-    Nó de gosto (petiscos) - Praça Dr. António Padinha nº11, +351 931 380 343

-    À Mesa - Praça Dr. António Padinha nº 21, +351 965 634 247 (fechado à 2ª-feira)

-    Nikita - Rua Doutor Parreira nº104, +351 926 897 859

-    Come na Gaveta – Av. Dr. Mateus de Azevedo nº36, +351 926 677 879

 

Santa Luzia

-    Restaurante A casa - Av. Eng. Duarte Pacheco nº78, +351 965 084 207 (fecha à 4ª-feira)

-    Casa do Polvo - Av. Eng.º Duarte Pacheco nº8, (na marginal de Santa Luzia). +351 281328527

-    Alcatruz - R. Cap. Jorge Ribeiro nº46, +351 281 381 092 (fecha à 2ª-feira)

 

Manta Rota

-    Chá com Água Salgada - praia da Manta Rota. +351 281 952 856

 

Cabanas de Tavira

-    Noélia - Travessa do Gaibéu nº19, +351 289 148 262 (fecha à 2ª-feira)

Fuseta

-    Casa Corvo (grelhados típicos) - Largo 1o de Maio +351936258260 (fecha à 2a feira)

-    Moinho das Marés (petiscos) - Rua da Liberdade 164) +351913092612 

 

  

Temos disponíveis várias actividades e serviços. Para mais informação pode consultar a brochura do Monte do Álamo no seu quarto.